A Solenidade de Corpus Christi, instituída no século XIII pelo Papa Urbano IV, é a maior manifestação pública da fé católica e do agradecimento dos fiéis a Jesus por Ele nos ter deixado, através da Ceia do Senhor (hoje Missa), e a ordem, ”Façam isso em memória de mim”, a certeza de termos Ele, vivo, ressuscitado, perto de nós, pronto a nos ajudar a sermos fortes contra o mal e a crescermos na Fé, Esperança e Caridade.

Sem a ajuda de Deus, e esta ajuda chega a nós através de Jesus, o Salvador, o Redentor, ninguém consegue vencer o egoísmo e a força do orgulho, a dureza do coração. Com Jesus, todo obstáculo pode ser vencido, podemos ganhar qualquer batalha para o bem.

Pela Fé, quando me sinto fraco e incapaz, Jesus me garante: estou ao seu lado, faça a sua parte e terá a vitória.

Às vezes ficamos frustrados pois não vencemos a tentação em nós, não temos sucesso no que empreendemos, na doença que nos aflige. A palavra de Jesus é sempre verdadeira, isso é “garantido” pela fé, que alerta: Deus sabe o que faz e vai fazer acontecer em sua vida sempre o que for melhor por você e sua família.

A única prova que temos disso provém da fé. Com o tempo passando, percebemos que essas palavras são verdadeiras, percebemos o bem que Deus sabe fazer surgir de situações difíceis e negativas.

Todo ano a Festa de Corpus Christi se realiza com missa solene e imensa procissão de povo, até a Catedral, onde ela se encerra com a Bênção do Santíssimo Sacramento.

Este ano nada disso pôde ser realizado por causa da pandemia.

Na Igreja de São Gonçalo, a procissão foi realizada no interior do templo, no final da missa, após o desagravo ao Sagrado Coração e terminou com solene bênção. O povo acorreu, embora respeitando as regras de segurança de saúde. A Missa é o maior presente que Jesus deixou à Igreja e garantia sensível da presença real dele no meio de nós. Nele podemos confiar!

Realizada em 16/06/2020